Parkinson: Grupo em BH é local de conforto, informação e troca de experiências.

O primeiro sintoma foi a perda do olfato, em seguida, redução no movimento dos braços e depois a escrita ficou pequena. Com base nesses sinais do corpo, Carlos Braga suspeitou de que estaria com mal parkinson. O diagnóstico foi confirmado pelo médico, após análise dos sintomas, exames neurológicos e físicos.

O mal de Parkinson é uma doença degenerativa do sistema nervoso central que afeta os movimentos. Entre os principais sintomas estão: tremor, rigidez muscular e a perda de equilíbrio. Mas ao invés de ser trancar dentro de casa, se isolar do mundo externo, Carlos Braga decidiu encarar a doença de frente. É exemplo de força e determinação. Está sempre buscando se atualizar sobre o Parkinson. E ele faz questão de compartilhar as experiências e novidades que encontrou com outros pacientes. Por isso fundou a Casa do Parkinsoniano de MG, um espaço para acolhimento e troca informações sobre a doença. Atualmente a instituição possui cerca de cinquenta membros, apesar do número de pessoas acometidas pela doença em Belo Horizonte ser até 400% maior, segundo estimativa da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Na entrevista desta semana, Carlos Braga, presidente da Casa do Parkinsoniano em BH falou sobre o objetivo da instituição, as necessidades. Confira na íntegra!

*Entrevista veiculada em 18/05/2017.

A casa do Parkinsoniano realiza encontros no último sábado do mês, no salão da Igreja da Boa Viagem, rua Sergipe, 175, bairro Funcionários, Belo Horizonte.

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *